Vamos Sarangar: [MV] High4 feat. IU



Oie pessoinhas!
Hoje no Sarangando vou falar um pouquinho desse MV que tem me tirado o sossego. Calma gente, não tem homem sem roupa, relaxem... rs

Esse music video não é novo, foi lançado oficialmente no mês de Abril, mas como eu não curto logo as coisas de cara - meu normal - só fiquei ligada nela agora e não consigo parar de ouvi-la.

"Not Spring, Love, or Cherry Blossoms" é uma baladinha romântica do grupo High4 com a participação - tanto com a escrita da música e também com a sua voz - da fofíssima da IU (também conhecida por estar nos doramas "Dream High" e Pretty Man).

Eu Li: For Real



O que acontece quando a autora que você quer tanto ler não lança um livro no seu idioma? Você caça em qualquer outro que seja compreensível!

Então quando eu achei vários livros da Chelsea M. Camerom em espanhol eu não me dei ao luxo de reclamar, eu me joguei neles. COMPLETAMENTE.

Eu Li: Super Desapegada




Quando comprei "Super Desapegada" na Amazon não imaginei que ia achar uma história tão divertida. É uma mistura de vida real com vida de blogueira. E as partes da blogueiras foram as que mais me cativou.

Eu Li: Uma razão para Respirar




Quando vi a capa desse livro numa pré-venda, eu só consegui pensar "eu quero" e comprei. Quando chegou o devorei. No final do primeiro capítulo tava achando tudo muito surreal de tão bom. Motivos: (1) Garota bonita se achando feia, (2) Caras sarados que não se idolatram, (3) a única pessoa anormal é a Emma com seu tios enviados pelo demo, (4) Melhor amiga que te entende e completa seu dia; e achei que estava tendo um aneurisma.

Eu Li: Wild Cards



Mais uma vez Simone Elkeles me deixou abismada com o seu talento e percepção do mundo. Poucas autoras conseguem fazer isso: transformar uma história que aparentemente seria clichê para torná-la algo grandioso. Foi assim em Quimíca Perfeita - quem me conhece sabe que o reli, sei lá, umas 15 vezes, e Leaving Paradise também não foi diferente. E ela veio com a mesma "química" ou seja lá que nome se dê a isso, mas é incrível, ela me fez amar esses personagens assim como amei os anteriores e jogou tudo em cima de disse "se vira, não quero nem saber". E o resultado é apenas um: releitura pra ontem.

Resenha Dupla: Vinte Garotos no Verão



Hoje com a companhia de uma amiga querida, a Adriana do Garota Eclética, faremos uma resenha dupla. Nesse final de semana lemos o mesmo livro e aqui está nossa opinião a respeito do mesmo. Espero que você gostem. Eu amei, foi bem divertido!

Resenha da Lisse:

Tanta espera valeu a pena (esperei 5 anos por essa tradução) mas enfim me deliciei com a escrita fabulosa da Sarah Ockler.

Vinte Garotos no Verão é aquele livro triste e reflexivo mas que não te sufoca e ao mesmo tempo te dá esperanças  e acalenta. Poucas leituras são capazes de fazer as duas coisas, e isso contou muito na hora de devorá-lo. Não queria parar, apenas avançar e saber o que estava reservado pra Anna e Frankie nas próximas páginas.

Aliás, que duas personagens diferentes e que ao mesmo tempo se completam. Com uma amizade de infância, ambas dividem um sentimentos especial. Anna, sem dúvida, foi a minha personagem preferida, ela saia com os pensamentos e falas mais engraçados.

É um livro mais do que recomendável. E estou ansiosa que a Novo Conceito também se interesse por Fixing Delilah e Bittersweet. Torcendo!

Resenha Adriana:

Eu achei esse livro muito lindo, apesar de falar sobre luto e perda ele não é aquele livro que te faz chorar do começo ao fim (Ou faz, dependendo da sua sensibilidade rsrs), ao contrário, acho que eu ri mais do que chorei, a escrita é leve e a personagem Anna - que é a narradora da história - é muito inteligente e crítica, gosto do fato dela nos contar os muitos defeitos de sua melhor amiga Frankie, e mesmo conhecendo esses defeitos ela se mantém leal a essa amizade, tentando curar em Frankie uma dor que ela mesma sente e não consegue esquecer.
As cenas românticas são muito fofas, queria colocar um quote da cena do primeiro beijo aqui, mas acho o trecho tão lindo que não quero estragar a surpresa de ninguém. 
Então é isso, recomendo com certeza.

Eu Li: A Música Que Mudou Minha Vida


A vida de Audrey não tem sido a mesma desde aquela música começou a tocar no rádio. Mas que música? É que ela namorou Evan por 11 meses, e o carinha é vocalista da banda Do-Gooders (que nome esquisito!), então no dia em que Audrey toma a decisão de terminar com ele - já que a relação de ambos estava indo pelas cucuias - ele tem a excelente ideia de escrever uma música sobre o término. Coisa que é totalmente Taylor Swift por falar nisso...

O que qualquer garota menos quer nessa vida é que um cara escreva uma música sobre qualquer coisa, muito menos uma relação rompida e que isso aconteça aos 17 anos; porém Audrey é uma sobrevivente e eu A AMO por isso. De verdade! Ela é o que toda protagonista deve ser: divertida, sarcástica, com bom senso de humor, realista, tem um quarto maravilhoso. E algumas outras características que a fazem única: inteligente, não é organizada, tem o melhor emprego do mundo e nunca será uma garota normal. Amém por isso! Tem aqueles tipos de imperfeições que faz o leitor se identificar e não se irritar ou ficar com raiva como tem sido frequente em alguns livros. Infelizmente. Ou felizmente, não sei. Depende do seu ponto de vista.
Quote: "Se quiserem saber realmente algo sobre mim, têm que saber isso: eu gosto da minha música alta. Quero dizer muito alta. Não estou falando do tipo de alta em que os seus pais batem na porta do seu quarto e pedem para você abaixar. Por favor. Isso é coisa de amador. Quando digo alta, quero dizer alta você-não-consegue-ouvir-seus-pais-batendo-e-os-vizinhos-estão-botando-uma-placa-de-VENDESE-na-frente-de-casa-e-se-mudando-pra-outro-quarteirão-porque-não-conseguem-mais-aguentar-o-barulho-constante. Tem que aumentar o volume até o peito tremer e a bateria entrar por entre as costela como a batida do coração e o baixo subir pela coluna e entortar o cérebro, e tudo o que você pode fazer é dançar ou girar em círculos ou gritar junto porque sabe que, não importa o que a música faça você sentir, é perfeito." (Audrey me ganhou nessa parte. Somos melhores amigas agora!)
Até agora tô tentando entender o que deu na Audrey pra ela namorar o Evan. Ohhh God, sinceramente, as pessoas conseguem fazer coisas miseráveis às vezes, e pra si própria, o que torna o erro ainda pior. Putz, se tem uma pessoa que eu enforcaria, É ELE! O egocentrismo e a obsessão pelo sucesso dessa pessoa vai até os céus e além, o que me irritou profundamente por que ODEIO pessoas assim. Acha mesmo que eu namoraria um cara que só sabe falar de guitarra e música. Ok, música é ótimo, mas só isso ninguém aguenta né.
Quote: "Evan assentiu e abraçou a guitarra mais apertado e tenho que admitir que, nos 11 meses que ficamos juntos, aquela guitarra provavelmente foi mais agarrada do que eu..."
Eu tive uma síncope de ciumes por causa da Victoria. Que melhor amiga mais show! Acho que vou falar dela pelo resto da minha vida... é um modelo perfeito pra mim. Não só a loucura mas também por ela ser divertida, incrível, corajosa, protetora e a  lealdade que dispensa à Audrey. O mundo acaba e elas estão juntas, mesmo que ela tenha que levar o namorado - Jonah - a tira colo (ambos são uma fofura juntos!

Só tenho uma coisa ruim pra dizer sobre esse livro: quando tem uma frase que te afeta diretamente e você torce o nariz. E nesse tinha esse quote, onde as loucas Victoria e Audrey estavam falando do James:
"- Ele tem uma boa ética de trabalho e é gatinho.
- Alô, eu não tenho 30 anos. Ainda não quero uma boa ética de trabalho. Só quero alguém que consiga formar frases completas."
E tipo, só tem uma parte errada nessa frase, a parte que fala de 30 anos, porque eu tenho quase isso. É horrível! Mas mesmo assim eu não estou procurando e não procuraria alguém que tenha uma 'boa ética', putz, isso é a coisa mais chata que existe, imagina um cara analisando suas ações. Socorro né! Então, eu não curto muito quando num YA - estilo literário que eu amo tanto - tem frases assim. Não só porque a frase quase se aplica a mim, mas porque nem todo mundo que tem 30 anos é velho. Mas mesmo que Audrey tenha apenas 17 anos, ela não o terá pra sempre, e creio que ela não seria assim como a Victoria descreveu.

E agora vamos ao James. Aiai James, lindinho. A pessoa que me surpreendeu e desconcertou, e que me deixou em um estágio avançado de paixonite aguda. De primeira ele não passa a impressão perfeita mas é 100% gatinho e fofo. É aquele tipo de pessoa que gosta de passar despercebido e é isso que o torna mais especial.

Meus parabéns para Robin Benway porque ela é demais e detalhista ao extremo. Que mais autoras sejam assim, escrevendo livros divertidos pois estou precisando. Chega de tanto dramalhão e personagens que estão longe da realidade.

Coisas que amei nesse livro:
1) quotes incríveis;
2) é importante que você saiba que não existe lugar perfeito para beijar o cara perfeito;
3) perceber que eu já fiz algo tão louco é recompensável, porque ALÔÔÔÔ, EU TÔ VIVENDO!;
4) quero continuar vivendo no 220v, é muito bom;
5) não sou louca por ser obcecada por música, o que me deixa em paz porque quando eu ficar surda ou velha todas estarão dentro de mim;
6) entendi porque existe tantas bandas ruins por aí.

Outros quotes (porque o livro não era meu e tinha que devolver:
"Tinha esse trabalho idiota de espanhol e ainda não havia feito nada porque minha melhro matéria é Introdução à Procrastinação, mas tudo o que eu queria fazer era ouvir o Cd compilado [...]"
"Já estava sentindo um frio na barriga e minhas mãos ficaram frias e agarrei o braço de Victoria e fiz uma dancinha com ela.
- Nós vamos ao Sho-ow! Nós vamos ao sho-ow! - cantamos juntas no estacionamente enquanto Jonah só olhava para nós como se fôssemos desconhecidas. Azar o dele, nós duas estávamos drogradas de açúcar, batatas fritas e adrenalina."
"Os Lolitas, no entanto, eram incríveis [...] e além disso, não fazia mal a banda ser gostosa pra cacete. Quer dizer, eu já curtia a música e tudo o mais, muito tempo antes de saber como eram, mas eles botaram uma foto no encarte do CD e, quando Victoria e eu vimos, ficamos as duas tipo "Ora, oláááá". Fora que eles eram ingleses e eu babo por gatinhos com guitarras, como vocês devem ter notado, mas acrescente um sotaque londrino e vendo alegremente minha alma sem pensar duas vezes."

E aí Lisse?


Olá leitores!

Comecei o ano abandonando totalmente o blog, mas levando em conta que ele já vinha sendo abandonado desde outubro, isso não é surpresa nenhum.

Resolvi dar um pouco mais do meu tempo pra ele, visto que tenho sentido muita falta do meu espaço aqui. Mas diferente de ano passado onde eu tinha tempo mas não tinha motivação. Esse ano eu estou com motivação e saudosa mas não tenho tempo. Comecei uma nova fase da minha vida onde estou tornando reais meus sonhos. E o estudo tem sido uma das minhas prioridades.

Mas como anda a leitura? Isso vai bem, obrigada! :)  Tenho lido bastante como sempre, até mais do que anos anteriores. Se repararam aqui no sidebar, estou participando de um desafio que é muito bom e um incentivo pra não desanimar.

Então, a partir de hoje, o blog vai voltar. E eventualmente também postarei no Meu Amor, Seu Amor meu super xodózinho.

Até breve. Bj