Eu Li: Uma razão para Respirar




Quando vi a capa desse livro numa pré-venda, eu só consegui pensar "eu quero" e comprei. Quando chegou o devorei. No final do primeiro capítulo tava achando tudo muito surreal de tão bom. Motivos: (1) Garota bonita se achando feia, (2) Caras sarados que não se idolatram, (3) a única pessoa anormal é a Emma com seu tios enviados pelo demo, (4) Melhor amiga que te entende e completa seu dia; e achei que estava tendo um aneurisma.

Quote: "Você sabe que os caras também a olham, mas você não pode tirar o olho de seus livros tempo suficiente para os notar".
 Fui fisgada por um livro intenso. Boa construção de diálogos com sentimentos verdadeiros e palavras que fazem sentido. Não é fútil cheio de mimimi. Não consegui contar os números de vezes que senti naúseas por causa daquela família horrorosa - diga-se, a tia. Fiquei com dó da Emma a maior parte do leitura, ela tem uma vida de merda e nunca reclama, xinga ou surta. Tem planos, um guia de sobrevivência para todos os dias e para o futuro e se apega com um bote salva-vidas. Porém, o leitor não consegue se desvencilhar da dor que me era transmitida. É até difícil contar algo sem falar spoiler. É um livro torturante do começo ao fim, sem pausa para respirar.

Ser torturada por alguém que deveria lhe dar palavras de consolo e afeto nunca é uma situação fácil de se lidar. Consegui anotar pelo menos 9 motivos diferentes, que na verdade foram puramente idiotas para consequências que levaram Emma a derramar lágrimas e tremer de pavor. Tudo o que Emma quer é se ver livre da escola e poder seguir com sua vida em paz sem interferência dos outros.

Nem sua amiga Sarah, que conhece seus pesadelos e o que sofre junto na maioria das vezes, consegue livrá-la da dor e das noites mal dormidas.   é bem engraçada, e finalmente consegui ver uma amizade literária onde há um equilibrio muito bom. Achei conforto em tudo que ela fez pela Emma, desde ser um ombro amigo ou até super protetora.
Quote: "Eu e quase todas as garotas da escola. Até mesmo as veteranas estão de olho nele. E se você tentar me convencer de que ele não é bonito, eu a soco."
Evan é uma fofura, a escrutinando o tempo todo, analisando-a de um jeito ótimo em que não há escapatória. E não existe outro caminho a não ser entrar no joguinho  de "eu me importo com você, fale comigo" e as vezes em que eu surtei com isso não foi pouco. Não tem nada mais lindo do que quando alguém te persegue de um jeito bom!

Quote: "Na verdade, acho que você ficou ainda mais interessante agora que decidiu falar comigo, devendo você, ou não. Além disso, não acho possível que você se torne desinteressante. Bem, pelo menos não usando esse suéter."
 Não tinha lido nada parecido com isso, e acho um ótimo estilo de leitura, bem diferente de todo o clichê que estou acostumada. É uma curva para a tragédia em meio à salvação; sei que é contraditório, mas nada tem que fazer sentido, e foi isso o que o livro me transmitiu.

E a Emma é uma heroína, pois não reclama de anda. ABSOLUTAMENTE NADA. Tem noção do que é isso? Você no meio do caos e ficar impassível! Nem um suspirar, nem revolta, apenas choro e logo após estar uma pedra de gelo.

O final do livro me deixou pasma, e com muitas interrogações. Espero que a Pandorga já esteja trabalhando intensamente na continuação e saia logo e não me deixe sendo torturada o resto da vida.
E aproveito pra agradecer o lindo trabalho: a capa, a tradução, a diagramação, a lombada, e a foto de capa, porque eu nunca leria a versão em inglês - que é HORRÍVEL - apesar do livro ter essa história incrível. Então muito, muito, MUITO obrigada Pandorga pelo lindo trabalho.

Nenhum comentário