Retrospectiva Literária 2013

Incentivada por uma amiga a participar do RL, então aqui estou eu. 
Mesmo sabendo que poderia ter lido mais do que  51 livros esse ano, eu fiquei bem satisfeita com tudo que consegui. Eu até tentaria mais, mas quando percebi já era tarde, e a minha vida doramática também não permitiu. Foram muito doramas lindos que vi esse ano - aliás eu tinha que fazer uma retrospectiva disso também... rs Mas isso é uma outra história! 
Vamos falar dos livros?!




1. A aventura que me tirou o fôlego
Acho que depois de terminar a série Jogos Vorazes nunca mais serei a mesma! A Esperança, com certeza foi aquele livro que me tirou o fôlego e ainda me deixou inconformada e querendo mais da vida futura dos sobreviventes. Não ligaria se a Suzanne Collins quisesse continuar com os livros.. rs

2. O terror que me deixou sem dormir
Não sou o tipo de leitora que gosta de ler esse estilo. Mas esse mês de dezembro tentei sair da minha zona de conforto porém os resultados não foram muito bons. O que resultou foi uma leitora - essa que vos fala - com um medo desgraçado do carinha mal. Que livro foi esse, que aliás eu não terminei? No Escuro, da Elizabeth Haynes, então não sei nem se conta como leitura #tenso

3. O suspense mais eletrizante: Não li nada desse gênero!

4. O romance que me fez suspirar
No Limite da Atração, da Katie McGarry foi o meu livro chave desse ano. Todo mundo deveria conhecer Noah & Echo.

5. A saga que me conquistou
Minha amiga Keith foi a culpada de me fazer terminar a série Jogos Vorazes, e me encher pra ler a série da Keira Cass. E foi uma surpresa maravilhosa. Não esperava tanto de A Seleção, O Príncipe e A Elite me deixaram simplesmente apaixonada querendo saber mais e mais sobre os acontecimentos no palácio e sobre a injustiça das castas.

6. O clássico que me marcou
Cheguei nesse mês de dezembro com uma sensação de que estava faltando alguma coisa: eu não li clássicos novos. Somente reli Orgulho e Preconceito, da Jane Austen. E fiz a leitura de My Darcy's Diary, da Amanda Grange, que a versão do Darcy de Orgulho e Preconceito.

7. O livro que me fez refletir
Depois de perder meu pai na morte eu precisava de um livro que me fizesse entender o que é continuar vivendo após a morte de alguém querido. O Céu Está Em Todo Lugar, da Jandy Nelson foi o que eu precisava. Me fez chorar, refletir no antes, no durante e no que há de vir. E me fez agradecer por ter tido o prazer de estar na vida do meu pai até os últimos momentos.

8. O livro que me fez rir
A Música Que Mudou Minha Vida, da Robin Benway me fez rir loucamente. Foi o livro mais divertido desse ano e com certeza - como eu já cansei de dizer - vários autores deveriam pegar esse espírito e tentar fazer igual.

9. O livro que me fez chorar/me deixou emocionada
Chorar mesmo só o livro citado no item 7, mas eu me emocionei muito com o livro Antes de Você Chegar, da autora nacional Renata Muller. Quando eu quero MUITO um livro eu tenho que desconfiar, porque aí vem algo muito bom. Eu demorei pra adquiri-lo, porém quando aconteceu, não me arrependi. Todos deveriam ler.

10. O livro de fantasia que me encantou: Não li nada no gênero.

11. O livro que me decepcionou
Eu queria tantoooo ler esse livro e, quando aconteceu foi a pior coisa na minha vida literária - espero que isso nunca mais aconteça! Nevermore, da Kelly Creagh

12. O livro que me surpreendeu
Lola e o Garoto da Casa ao Lado, da Stephanie Parkins é um livro que estava além de tudo o que eu poderia ter imaginado. Tá certo que amei demais Anna e o Beijo Francês (da mesma autora), mas esse ultrapassou. Fiquei encantada que nem quis me despedir dos personagens. Foi uma ressaca literária das braba!

13. O thriller psicológico que me arrepiou: Não li nada no gênero.

14. O livro mais criativo
Aconteceu Ontem, da Lisa Schroeder! Aquela história contada em versos é muito criativo, e o leitor é capaz de seguir sem precisar rimar ou algo assim...  achei incrível.

15. O melhor HQ: Nunca li nada nesse gênero.

16. O infanto-juvenil que se superou: pela primeira vez na vida, não li nada nesse gênero rs

17. O livro que mudou a minha forma de ver o mundo
Não acho que algum livro tenha mudado minha forma de ver o mundo. Porém dois livros me ajudaram a mudar alguns pensamentos: Entre O Agora e O Nunca, da J. A. Redmerski e Do Seu Lado, da Fernanda Saads.

18. A capa mais bonita
Um só vai ficar difícil! Mas eu amo as capas dos livros da Elizabeth Scott, e esse ano eu terminei os 4 livros que estavam faltando dela: Something, Maybe, The Unwritten Rule, Between Here And Forever e Perfect You.

19. A frase que não saiu da minha cabeça
"'Ele não é o meu tipo', dizia uma vozinha na minha cabeça, mas fazia tanto tempo que eu nem sabia o que isso significava. Ou se esta garota, esta que eu era agora, tinha mesmo um tipo." - O Que Aconteceu Com O Adeus, da Sarah Dessen.

20. O(a) personagem do ano
Hunter - My Favourite Mistake, da Chelsea M. Cameron.

21. O casal perfeito
Lola & Cricket, de Lola e O Garoto da Casa ao Lado: Senti muitas saudades deles!

22. O(a) autor(a) revelação
Querendo saber quando sai logo a continuação de Scared, da J. S. Scott. É!

23. O melhor livro nacional: Esse ano e me superei lendo 9 nacionais! Mas Mitral, da Thayane Gaspar foi muito bom, só ela consegue fazer uma guerra ser a personagem principal num livro!

24. O melhor livro que li em 2013: Acho tão injusto eleger apenas 1 livro! Foram tantas experiências boas de formas diferentes. Mas se fosse citar um que ainda não foi mencionado seria Losing It, da Cora Carmack.

25. Li em 2013: 51 livros.

26. A minha meta literária para 2014 é...
O Desafio 52-52, que inclui ler mais clássicos, nacionais e tudo o que tiver de bom na minha estante!

É isso pessoal, e agora vamos ver o que o próximo ano me reserva! Estou na expectativa com toda a minha impulsividade. Tô com medo! kkkkkkkkk

Até mais! Bj

3º Dia - Diário Literário


Hi peoples! :D

Hoje o dia foi supreendentemente com leitura. Eu amo as terças, é quando consigo ir de cabeça no que quero fazer; e nesse momento tem sido a leitura.

100 páginas! Fiquei muito orgulhosa da minha pessoa por ter avançado tanto em "A Elite".  E confesso que foram muitas emoções, meu coração chega doeu. Foi tenso!

E é bom ver a America mudar de uma boboca apaixonada para encarar a realidade do que é ser da "Seleção", porque até agora eu só a tinha visto apreciar os vestidos bonitos, a comida gostosa e reclamar das aulas de etiqueta. Agora vê-la titubiar nas suas decisões é algo muito legal. Dúvidas, dúvidas e mais dúvidas. Gostei muito de algumas atitudes dela, fiquei muito orgulhosa. Muito mesmo!

Só penso em avançar páginas e acabar logo esse livro. Mas aí o Kindle não ajuda e descarrega na parte mais legal em que a mocinha tá desabafando seus sentimentos mais sombrios #tenso
Indo ali colocá-lo na tomada e esperar até o dia clarear...

Até amanhã, e boa leitura à todos *smacks*

2º Dia - Diário Literário


E aí, como foi o dia de vocês?

Tirando o cansaço de dias acumulados, o meu foi ótimo! E nesse segundo dia do mês, euzinha só consegui 45 minutos para ler. Eu sempre me sinto inconformada com isso, mas foi o que deu né: 30 minutos da hora do almoço e 15 minutos do intervalo do curso de inglês.

Ainda estou em "A Elite" e a coisa toda anda boa demais. Tão boa que estou até estranhando e achando que algo muito, muito, MUITO ruim vai acontecer e eu vou ficar triste. Falou a vidente! kkkkkkkk Mas é sério. Sabe quando acontece coisas boas e você como leitor fica radiante? Porém, você lembra que só leu até agora 73 páginas - sendo que o livro tem 413 - e que tudo tá lindo. O carinha é fofo, as meninas da 'oposição' não fizeram nada de mal, o pai do carinha que é do contra tá muito calado.... enfim, tá daquele jeito bom-demais-pra-ser-verdade. É isso! Não vou dar spoilers

Mas agora que estou em casa, apesar de querer muito me afogar na leitura, não dá. Estou cansada demais, com sono acumulado e meus olhinhos estão batendo implorando que eu deite.

É isso pessoal, boa noite e até amanhã.

1º Dia - Diário Literário


Oiee pessoas!

Depois da meta lançada ontem (veja aqui), hoje foi dia de começar a colocar em prática aquilo que me prôpus né. E acho que comecei bem! #animada

O primeiro livro do Diário Literário foi: A Elite.

E não poderia ter escolhido outro né. Depois de passar a última semana de novembro empolgadíssima  com America e as outras 34 selecionadas para conquistar o coração do Príncipe Maxon; eu tive que pegar logo essa continuação e me deliciar com mais aventuras no Palácio. Até porque eu já virei totalmente #TeamMaxton, e depois de ler "O Príncipe" eu fiquei mais encantada com ele. Não teria personagem melhor pra ter uma crush *suspiros*



E "A Elite" veio que veio chegando. Já achei que a autora mudou um pouquinho o jeito de contar a história. Até notei uma mudança de pensamento em America, que já estava me deixando nervosa por nunca mostrar o que ela realmente queria. Personagens indecisas me deixam inquieta.

Mas as 40 páginas que iniciei hoje já me deixou querendo mais. Mas aí amanhã é que é a hora da verdade. Ler durante a semana é uma loucura.
Mas vou encarar o desafio. Não quero desistir. #fighting

Beijokas, e até amanhã!

Diário Literário



Oieee pessoas! Tudo bom?
Já faz tempo que não apareço por aqui né? Eu sei...

Mas hoje venho com uma notícia muito legal. A partir de amanhã, começo aqui no blog o "Diário Literário". E no que vai consistir, vocês podem estar se perguntando?
Como ando muito devagar com as minhas leituras, fiquei motiva esse mês de novembro porque consegui ler 5 livrinhos maravilhosos, e ainda estou presa em um deles que tem continuação. Estou nas nuvens!!

Então a ideia é basicamente fazer um diário de leitura, contando o que está lendo e como está sendo a experiência. Não é nada sofisticado, até porque tem dias que não lemos nada (eu pelo menos não leio!) por causa das ocupações do dia-a-dia.

Se você que está lendo esse post quiser participar e dar um UP nas suas leituras, fique à vontade. Vai ser assim:

1) selecione uma quantidade de livros que vc acha que vai dar conta no mês de dezembro
2) tire uma foto ou faça um montagem com as capas (porque muitos leem no formato ebook)
3) se não tiver blog mas quer participar, pode também, basta subir uma hastag no face ou twitter assim: #DiárioLiterário
4) fique à vontade pra fazer o Diário com fotos, ou só com comentários aleatórios.
5) aqui não tem regras rígidas, o objetivo é ler e se divertir, ok?!

Então como sou a primeira vou começar. Vamos lá? Meu #DiárioLiterário ficou assim:


Meu objetivo é chegar aos 50 livros lidos em 2013. Só faltam 7! Nem sei se vou conseguir #tenso
Mas vou encarar o desafio #fighting

Livro 1 - A Elite (Kiera Cass)
Livro 2 - My Favourite Mistake (Chelsea M. Cameron)
Livro 3 - Antes de Você Chegar (Renata Muller)
Livro 4 - No Escuro (Elizabeth Haynes)
Livro 5 - Os Adoráveis (Sarra Manning)
Livro 6 -  A Outra Vida (Suzanne Winnacker)
Livro 7-  Paixão Sem Limites (Abbi Glines)

Achei minha lista ótima. Agora tenho que agitar meus dias!

E vocês, o que gostariam de ler antes de acabar o ano?  Beijinhos e até amanhã ^.^

Eu Li: Losing It


Um dos poucos livros que me fez hiperventilar. E já fazia um bom tempo que isso não acontecia. Acho que descobri o que eu preciso na minha vida: mais New Adult. Porque elessão tudo de bom! Nível Master e mil coraçõezinhos pra quem deu um ponta pé inicial nesse estilo literária - lhe serei sempre grata, beijos.

Então vamos ao que interessa. Bliss. Essa é a mulher que em breve se formará na faculdade e ainda é virgem - o que a incomoda muito - então decide que precisa lidar com esse "problema".

"E agora eu estava no meu quarto , me arrependendo de ter tido coragem de contar a ela o que eu estava escondendo. Eu soube antes mesmo de terminar que tinha sido uma péssima ideia.- SÉRIO? É por causa de Jesus? Você está, tipo, se guardando para ele? - sexo parecia simples pra Kelsey. Ela tinha o corpo de uma Barbie e o cérebro sexualmente carregado de uma adolescente."

Bliss está num dilema que nem ela mesma entende. E eu a entendi perfeitamente. Porque a pior coisa que se pode imaginar pra uma pessoa estável é a menção a algo instável, sem valor e passageiro. Ela tem o controle da sua vida, e gosta que seja assim. Mas há alguém na sua vida que é o oposto disso: sua melhor amiga, Kelsey. A garota é uma pirada que vive do momento e só quer farra. E é a própria que põe as coisas pra andar na vida da amiga. Em alguns momentos gostei muito da Kelsey, mas em outros ela me irritou por forçar tanto a barra.

É nessa loucura que Bliss encontra o homem perfeito. Mas será tão perfeito assim? Só sei que hiperventilei horrores. Não porque ele aparece sendo descrito sem roupas tá meninas! Acalmem-se! rs Imaginem a cena: o cara no lugar menos improvável do mundo lendo um livro, cabelo loiro (eca! não curto mas ok né) caindo nos olhos azuis cristalinos, apenas um pouco desleixado para dar uma aparência masculina sem deixá-lo muito cabeludo e um rosto que poderia ter feito anjos cantarem. Nesse momento eu imaginei o Nick Carter (de hoje) encarnado nesse cara...

Afinal, quem não gostaria de um carinha inteligente pra compartilhar uma conversa? Foi isso que me fez perder o raciocínio. O simples fato de haver conversa normal e inteligente num livro, e não um blá-blá-blá sem sentido.

Nem tudo são flores, e a Bliss foge com uma desculpa esfarrapadíssima. A garota entrou em pânico né gente, vamos entender a coitada. Mas aí logo em seguida vem drama. E lá vamos nós... tornando a situação mais interessante.

Cora Carmack segue uma linha simples e fluída, tornando o livro interessante e mantendo o leitor ávido por mais páginas. Interromper a leitura foi algo que não fiz, Bliss e Garrick foram a atração principal nesse espetáculo de cores, porém seus amigos não deixaram por menos: Cade é um amor, Kelsey é louca, Eric me deixou encantada

No todo, o livro é leve, rápido de se ler, e próprio para os leitores que gostam de romances belos e que encantam. Sem dúvida, entrou pros favoritos! Quero urgentemente os próximos #vemnimim Que aliás, Faking It já está na agulha prontinho pra ler \o/

Vamos Sarangar #3: No Repeat



Só eu que percebi, ou eu só vendo aqui falar dos meus queridos e amados coreanos??? *cofcof*
Não tem jeito gente, *biane* é muito amor!
<3 nbsp="" p="">
<3 nbsp="" p="">O que mais gosto nessa vida em termos de música é encontrar uma linda canção que toca profundamente meu coração fraco. Porque sou a fraqueza em pessoa pra canções lentas e que tem uma letra tão significativa.

E o SHINee mandou ver com tudo nessa música do novo cd.
Enfim, nem quero falar muito porque senão vou repetir tudo o que já falei. É bom, assistam!! 


E um live tbm que não custa nada né??


Beijokas e até o próximo sarangando!

Vamos Sarangar #2: Porque amo tanto Kpop



Ouço tanto as pessoas falando que amam kpop, mas nunca vi esse meu principal motivo sendo citado, por isso escolhi falar dele hoje.

Por mais de 20 anos era uma viciada em música americana, já gostei e curti tantos artistas e grupos que não caberiam nesse texto. E os amei com tudo que podia, até ao ponto de ficar ensandecida mas nunca vi esse amor ser retribuído.

Existem vários motivos de porque eu passei a gostar tanto desse estilo musical, mas o fato de existir muito amor nele e agradecimento é o principal. E principalmente por parte dos artistas que nos 'alimentam'. Os artistas que o compõe amam o que fazem e demonstram isso da melhor forma possível: AMANDO O FANDOM.

Quando eu descobri que cada grupo tem seu próprio fã-clube (fandom) com nomes e cores que o identificam fiquei abismada e apaixonada por isso. Muitos talvez digam que é marketing pra angariar mais fãs, ou que as brigas de fandons acaba deixando uma má impressão; mas eu não me importo. Porque alguém já parou pra reparar como os grupos retribuem esse amor (mesmo que às vezes mal direcionado das fãs)? Eles as amam mais, ou seja, me amam mais; e por tabela, eu passo a amá-los mais ainda! #saranghaeyo

E o verdadeiro destaque que quero dar nesse post é pras músicas que os grupos fazem pro fandom. Músicas essas que me fazem chorar copiosamente. É por isso que eu sou: Sapphire Blue e Hottest

Sendo ELF:


Meu amor começou com o Super Junior. Sou ELF e descobri isso num dia muito louco. E não tenho palavras pra explicar como eles trouxeram alegria pra minha vida, que estava meio desbotada.
Então aqui está a música do fandom: FROM U!



Sendo HOTTEST:


E depois me tornei uma fã um tanto louca e compulsiva pelo 2PM. Sou Hottest e tudo por causa da música do fandom. Eu tenho sérios problemas com músicas que expressam amor, e então lá foi mais lágrimas quando vi esse vídeo pela primeira vez. Wooyoung, saranghae Oppa!


E vocês, o que mais gostam no kpop?? Adoraria ouvir a opinião de vocês. Smacks!

Eu Li: Meu Amor, Meu Bem, Meu Querido


Esse livro foi tão contraditório que dá muito vontade de rir só de lembrar. Comecei muito bem, achando graça da Ruby e do seu jeito espontâneo de levar a vida, mas em alguns momentos depois achei o livro tão diferente do que esperava que foi estranho. Esperava que Ruby fosse mudar muito por ter encontrado o amor, aquela coisa tórrida de "me deixa mãe porque eu o amo" ou se tornar uma rebelde, ou qualquer outra breguice nesse nível.

A nossa protagonista de tem uma forma diferente de ver o mundo, é divertida e irônica. Ela é diferente e foi isso que mais gostei nela. Mas aí quando parece o Travis, a achei sem cérebro como se fosse uma daquelas garotas que não pode ver um carinha bonito que corre pra ele e esquece que tem uma vida. Tudo é muito sem nexo, não teve nenhum sentido em como ela foi parar na garupa da moto dele e inexplicavelmente estava apaixonada. Simples assim. 

Ruby é como a mãe: insegura, e isso partiu meu coração porque esperava mais dela. Eu não queria de forma nenhuma que ela se tornasse como a mãe, que aguarda até hoje um homem que nunca será seu, e que muito menos quer estar com ela. É muito interessante como as pessoas se colocam em cada situação! E em casos assim, eu passei a diferenciar o que é insegurança nas protagonistas e o que é burrice. E com a Ruby, foi um caso clássico de burrice mesmo. Mas calma, o livro compensa de muitas formas.

"De noite, minha mãe já havia perdoado meu pai. Pensei em quantas vezes perdoamos só porque não queremos lidar com a perda, mesmo que a pessoa não mereça perdão."

Às vezes em que sentir vontade de bater na Ruby por ela estar atrás de um cara tão idiota como Travis não foram poucas, mas vê-la cair na real e tentar (vez após vez) fugir dele também foi bonito. E todo o meu nervosismo por essa situação foi em muito aliviada com outras partes lindas desse livro.

"Era mesmo uma batalha estranha e poderosa. Meus pensamentos se dirigiam para Travis de um modo descontrolado, como um viciado em chocolate ou em bebida. Era uma compulsão. Pensava que eu estava apaixonada por ele. Mas eu nem ao menos gostava dele . Detestava o que ele tinha feito, mas queria ver aquele cabelo loiro de novo. Era como se ele tivesse tomado conta do meu corpo, um visitante malquisto trazendo ansiedade, intriga e miséria."

As Rainhas das Caçarolas é um Clube do Livro perfeito! Pessoas que veem suas vidas entrelaçadas e se sentem importantes por estarem compartilhando o que de mais importante existe: suas próprias vidas e experiências. Miz June, Harold, Randy, Peach, Anna Bee são pessoas maravilhas e quis passar mais tempo na companhia deles. Que fofos!

"Pessoas que costumam seguir regras são aquelas que sonham, em segredo, quebrá-las."

Deb Caletti escolheu uma forma muito bonita de contar uma linda história cheia de surpresas. E me ensinou muitas coisas boas:

1) Eu entendi porque gosto de caras com motos. Não é o cara em si, é A MOTO! rs
2) Me senti muito especial por já estar fazendo parte de um clube do livro. Não preciso ter um, só preciso ser parte desse mundo literário.
3) Mães também podem se sentir perdidas e precisar encontrar um novo caminho a trilhar.
4) Eu preciso listar "pular de Bung Jump" na minha lista de coisas a fazer antes de morrer.
5) E que fazer pra fazer uma Road Trip eu não preciso ser jovem; quando tiver vontade de fazer é fazer e pronto.

Eu Li: Mr. Darcy's Diary



Não é novidade pra ninguém como sou louca por Jane Austen. Não só gosto dos livros dela, como também queria ter nascido naquela época e ter usufruido as melhores sensações que hoje em dia não temos tempo pra sentir.

"Orgulho e Preconceito" não é meu livro favorito da Srta Austen, mas ler a versão dos fatos pela visão do Darcy foi impagável. Amanda Grange fez um lindo trabalho em mesclar suas pesquisas e o original.

Se você algum dia quis tentar entender o Mr. Darcy, essa é sua oportunidade pra isso.
O que Lizzy pensa sobre ele durante o livro todo não é veraz. Foi o que realmente me consolou. Ver que os dois são tão orgulhosos e preconceituosos, me deixou mais relaxada pra tudo o que se seguiu.

Lizzy com seu péssimo hábito de se julgar conhecedora da verdade e Darcy por achar que tem um bom julgamento de outros. Mas quando ele se vê tão submerso naqueles olhos, o desejo de conquistá-la é maior.

"Porque ela me recusou? Porque ela me ouviu dizendo que não era bonita o bastante para me tentar? Claro que sim! Me encontrei admirando seu espírito. Meus dez mil por ano não significavam nada para ela comparado ao desejo de vingança dela sobre mim."

Eu já disse que amo a Lizzy?? Porque sim, isso é verdade! Quando a conhecemos ficamos tão encantados por sua inteligência e autoestima que rapidamente tomamos o lado dela e a defendemos com unhas e dentes. Porém, nossa querida protagonista é imperfeita e possui julgamentos absurdos. Mas depois de uma relida (no original) aprendi a verdade contida ali.

Darcy não é nada mais do que uma pessoa que sempre foi sincera, e o é. Tanto que não sabe o que fazer com o que sente e pensa: que apenas diz a verdade. Se ela - a verdade - vai magoar outros ou se os deixará feliz. Ele é simplesmente verdadeiro consigo mesmo. E quando Fitzwilliam lhe mostra que nem sempre a verdade deve ser dita e em como magoou Lizzy com sua proposta de casamento, entende o quanto a feriu.

"Elizabeth poderia ter sido amante disso tudo. Mas ela recusou minha mão [...] eu não sabia se alguma mulher já agira assim antes. Eu senti novamente toda a miséria e a dor de tê-la perdido [...] Parei em frente a casa, percebi o quanto eu a valorizava como minha mulher, como a vivacidade de seu espírito teria amolecido o meu próprio."

Ai meu Deus, como a minha vontade foi grande de esganar a Caroline Bingley. Perdi as contas de quantas vezes revirei os olhos #aff Tá aí uma personagem pra odiar o resto da vida! E o Sr. Darcy fez minha felicidade ao esnobá-la - com muita educação, como sempre - todas as vezes que tinha oportunidade. E nem todo o sarcasmo e má reputação que atribuia a Lizzy foi suficiente pra desanimá-lo. #amém

"Eu a deixei falar. É totalmente indiferente para mim o que ela diz. Se eu desejo ter admiração por Miss Elizabeth Bennet, então eu terei, e nem todos os comentários de Caroline irá me fazer pensar o contrário." (É isso aí!! \o/)

Vamos Sarangar #1: My Rainy Days (Tenshi No Koi)



Você sabe o que é Sarang?? É "Amor" em Coreano - 사랑. E eu amo conjugar esse verbo, no estilo "eu sarango, tu sarangas e vamos todos juntos sarangando...". Então já que tenho muito amor pelos orientais e vejo esse sentimento aumentar a cada dia, vou mostrar aqui um pouquinho à vocês como tem sido conhecer esse mundo tão diferente.

E as formas que o "Vamos Sarang" nunca será a mesma. Há uma diversidade de coisas pra mostrar: seja de doramas, filmes, músicas, estilo, e etc. Espero que vocês gostem!

Então #VamosSarangar? rs

Título: 天使の恋 / Tenshi No Koi / My Rainy Days
Lançamento: 7 de Novembro de 2009
Duração: 119 min.
Gênero: Drama, Romace
Dirigido por: Yuri Kanchiku
País: Japão
Sinopse: Rio é uma estudante de 17 anos que é sempre o centro das atenções devido à sua beleza. No entanto, Rio nunca se preocupou com ninguém, isso devido a seu passado traumático. Seus amigos e namorados existem apenas para que ela possa utilizá-los para seu ganho. Rio só está interessada em dinheiro. Então um dia ela conhece o professor universitário Kouki, de 35 anos, e se apaixona pela primeira vez; sentindo-se confusa com sua mudança emocional, Rio manifesta o seu amor a Kouki honestamente. Embora Koubi se sinta atraido por ela, há uma razão pela qual ele não pode prosseguir o relacionamento...

"Tenshi No Koi" tem uma história tão bonita que foi difícil não gostar dele. Uma adolescente de 17 anos que age como se tivesse 30; mesmo que a aparência de Rio (Sasaki Nozomi) mostrasse uma colegial madura pra sua idade não foi isso que me transmitiu. Agir como se tivesse maturidade não é tê-la. E senti muita pena dela em vários momentos.


Nem suas amigas divertidas e casuais trazem para sua vida o que necessita. Porém, quando conhece Kouki (Tanihara Shosuke) começa a ter sentimentos genuínos pela primeira vez. E o que é algo divertido, pois ela se vê viva enfim, fazendo parte de algo - ou melhor, querendo fazer parte de algo. E que vai beneficiá-la, não destruir.

Não tenho muita coisa pra falar das amigas dela. Não sou atraída por nada que não seja sincero, então... só posso reclamar. E reclamar não é algo que eu goste muito de fazer, me deixa irritada... No entanto, tem algumas cenas muito fortes e que valem ser conferidas.



Mas só tenho elogios ao figurino desse J-Movie. Rio veste coisas lindas que me deu vontade de copiar todas, sem exceção. E a atriz Sasaki é linda, como não ficar maravilhosa aquelas roupas nela né! E as unhas? O que foi aquilo... ainda estou sem entender. Perfeitas!



Meu primeiro filme japonês foi muito melhor do que eu imaginava. Chorei muito nas cenas finais, e fiquem calmos o filme não dá pra chorar tanto assim, é bem tranquilo. Mas a cena final é muito linda, esses japoneses sabem como emocionar! :'(

Eu Li: Replay





Uma certa tarde você está na Amazon apenas virando as 'páginas' de compra e dá de cara com um livro com essa capa. É compra na certa! Não só porque você conhece o autor, mas porque quando um subtítulo cita "os opostos não se atraem... se colidem", automaticamente penso: "eu preciso desse livro!".

Cecília e Gabriel são muito diferentes, e se odeiam. Bom, Cecília ODEIA Gabriel né, já que o livro é narrado pela própria. Eles já foram namorados, o que já explica porque tanto ódio pra uma única pessoa. Mas como sou mulher, e mulher apoia outras, estava eu do lado de Cissa até descobrir que o rapaz gostava mesmo dela. Aí todo meu apoio foi por água abaixo. Quem vai resistir a um rapaz apaixonado?? Hein, hein... rs

Faíscas e mais faíscas saltam das páginas. E eu ADORO algumas farpas: elas fazem bem e apimentam a história. E isso o autor não deixou a desejar. Criou personagens de carne e osso, com seus defeitos e qualidades, porém mesclou amor, relações familiares e amizade muito bem.

Cecília é uma graça de fofa, divertida e inteligente. Porém sua sanidade se esvai quando se trata de um certo rapaz, e para seu desespero se vê 'confinada' com ele para fins acadêmicos. O que é muito divertido - ri muito!


Quote: "E isto provou mais uma vez que eu deveria estar com um débito muito grande no céu."


Mas a grande sacada desse livro com certeza é o Gabriel. Nele encontramos tudo o que alguns garotos realmente são: bobos, convencidos, descolados, brincalhões, que confiam nos amigos até embaixo d'água...
Mesmo com a Cissa criando uma lista de defeitos pra ele, eu ainda senti muita empatia por ele. Tá, mentira, eu fiquei caidinha por ele kkkk É a pura verdade!


Quote: "Você me magoou demais, Gabriel. Eu queria te dar o meu coração, e você queria se enfiar dentro da minha calcinha."


E quem sabe algum dia eu ainda teste um carinha no "Programa de Teste Para Voltar a Ser Meu Namorado"!

Mais ainda vou reclamar pelo resto da vida por esse livro ter apenas 122 páginas! Foram bem escritas. Concordo! Mas o gosto de quero mais ainda está aqui...

Vamos Sarangar: Coffee Prince


Annyeong Haseyo! (Olá!)

Que emoção é falar do meu primeiro dorama! Minha vontade é só escrever mil vezes "VEJAM!", porque é muito amor, e por ser o primeiro é inesquecível.


Eun Chan é uma garota muito trabalhadora que desde cedo ajuda a mãe e a irmã mais nova. Trabalha como professora de Tae Kwon Do pra crianças, entrega leite e faz muitos serviços para suprir as necessidades de sua família. Desde cedo foi confundida com um menino e por tantas, acabou deixando que as pessoas pensassem assim.  Mas é a pessoa mais fofa desse mundo! ^.^


Certo dia, por acidente ela conhece Han Kyul, um playboy que não quer saber nada nada sobre a vida, que atormenta sua vida com seu jeito presunçoso. Quando chega o exterior recebe uma missão da sua avó 'casca-grossa', montar um negócio e administrá-lo bem. E o mesmo por falta de comunicação acha que ela é um garoto e a contrata. E agora o que faz? Ela precisa do dinheiro, então o lance é toca o barco adiante... E nisso nasce uma amizade bonita entre eles................ e algo mais!

Lentamente os dois vão fazendo com que sua amizade se torne mais forte a cada dia, até que acaba em amor e Han Kyul começa a duvidar da sua própria sexualidade por gostar de um homem, mas Eun Chan também não pode confessar que é uma mulher, já que perderá o emprego e possivelmente o amor de Han Kyul.


Há o casal Hang Sung e Yoo Joo, que ao longo de 9 anos tiveram um relação bem problemática. E durante essee tempo, Han Kyul também deve um interesse por ela. Eles dão uma tensão bem legal no dorama, mesclando as cenas do casal principal. Porque quando Han Sung conhece a Eun Chan, aí é que o negócio fica bom. Pra mim pelo menos, fez toda a diferença, porque se não fosse por ela, ele ainda não saberia o que fazer ou que decisão tomar.


Coffee Prince me emocionou de uma tal maneira que é difícil descrever. Talvez tenha sido pela expectativa de esperar algumas semana até o dvd chegar aqui em casa - Obrigada Nii! E nessa espera ter visto todos os MV possíveis e imagináveis no Youtube não saciou minha curiosidade. Cada MV era uma nova emoção que fez valer a espera. Fiquei muito admirada pela Eun Chan e seus vários empregos temporários e em ser uma batalhadora; e da mesma forma senti muita compaixão por tudo que ela fazia ou passava ao longo da trama. É um exemplo pra muitos jovens - foi pra mim!


Foram tantos pontos positivos: é bom não ter tanta pegação em cenas românticas, encontrar um história bem contada e divertida com diversos aspectos para gostos variados, uma OST (Original SoundTrack) em que não pude colocar nenhum defeito de tão fofinha. E nisso tudo só vi uma coisa ruim: a falta de expressar sentimentos. E sou 'conect' pra aceitar tão fato, então reclamo mesmo! Mesmo que seja algo da cultura, me incomodou demais e na parte sentimental deixou a desejar, como conversar sobre o que está passando na vida um do outro e etc.

E como esse povo come! São magros de ruim mesmo. Então se você curte um ramén (miojo), prepare-se pois vai ter muitaaaaa vontade de comer durante os doramas rs


Minha cena preferida:


Onde baixar: AnimesXGames


Eu Li: Estilhaça-me


Depois de tantas críticas ruins que li, foi uma grata surpresa amar muito esse livro.
Toda a leitura foi visceral, agonizante, alegre, triste, empolgante, e depois triste novamente; um misto de emoções tão numerosas que me senti tonta.

Uma protagonista/narradora que lhe transporta pra dentro do cérebro dela. Sua condição de enclausuramento por 264 dias em um espaço de 1, 48m² é dificultosa. É como se o leitor estivesse lendo o diário de seus pensamentos mais simples e intímos, da forma mais comovente que existe.

"Não me lembro de como era antes. A única existência que conheço agora é aquela que me foi dada. Um eco do que costumava ser."

Sem pais, sem amigos e sem qualquer vínculo social há anos. Porém, seus dias de solidão por causa do monstro que é (ou acha que é!) estão com os dias contados. Adam é a figura mais forte de um laço afetivo que Juliette está vivendo. Isso é lindo! Era como se eu derretesse junto com ela por causa das coisas lindas que ele falava/fazia por/para ela.

"O calor de um abraço amigo, a força das mãos firmes unindo todos os meus estilhaços, o alívo e libertação de tantos anos de solidão. Este presente que ele me deu eu não posso retribuir."
"Passei minha vida dobrada entre páginas de livros. Na ausência de relacionamentos humanos, criei laços com as personagens de papel. Vivi amor e perda por meio de histórias enredadas na história; experimentei a adolescência por associação."

Juliette tem um dom/maldição que a impede de ser uma pessoa que convive normalmente com outras pessoas, mas isso não é uma barreira para o Restabelecimento - a forma de Governo existente - que se tornou muito clara pra mim, apesar de ainda ter ficado muitas perguntas soltas no ar. Ouvi tanto borburinho por causa dessa falta de explicação mas isso não me impediu ou incomodou nem um pouco. Reparei que alguns querem muitas informações mas não fazem bom uso das que possuem. Toda a distopia foi muito óbvia do que poderá acontecer no nosso futuro, levando em conta que a humanidade e o Governo estão indo de mal à pior.

Achei tudo que a Mafi colocou nesse primeiro volume da Trilogia muito bom e satisfatório. Creio que nos próximos volumes haverá maiores esclarecimentos.

O livro foi muito bem dividido entre o mundo da protagonista e a união que há entre ela e Adam, e logo em seguida o mundo dele com mais personagens tornando a leitura mais fluida e menos tensa. Chegando até a ser engraçada (que fica por conta do James e o Kenji).

O debut da Taheref Mafi foi incrível. Fiquei abismada com a forma intensa e diferenciada de sua escrita. A maneira como caracterizou bem os personagens e deu uma vida colorida ao livro, que me fez desejar intensamente "Liberta-me", que já está vindo por aí  \o/ #happy

Preciso me tratar!

YöDramas
Quando eu acho que já tenho todos os vícios que uma pessoa poderia ter, eis que surge mais um na minha vida. Porque deve haver algum limite pra alguém tão obcecada como eu...

Tinha visto uma amiga virtual - a Nii - falar tão bem de doramas que não dei muito crédito e demorei a perguntar se poderia me indicar algum. E ela fez melhor que isso, me enviou um dvd com episódios completos. Não vou dizer qual foi porque em breve farei os posts dos doramas que já vi. Então aguardem...

Apesar de ter sido numa época muito ruim em que o dvd chegou. Quando comecei a ver meu computador estava perfeito mais depois de uns 5 episódios, meu filhinho morreu. Aí imagina o desespero de alguém que queria muito saber como tudo iria se desenrolar, tava muito bom mesmo gente. E eu precisei viver os outros episódios subornando minha irmã pra pegar o notebook dela emprestado. Deu uma canseira, mas acabei! E foi assim que começou meu amor louco por doramas! #fighting

Então aqui vai alguns motivos que dorama é tão bom, e eu preciso me tratar urgente. E se você não conhece, deveria dar uma chance também:

  • O idioma
 É lindo de se ouvir! Sendo que a primeira vez que eu assisti é estranho mas só porque é novo, e me fez rir muito, porém depois que se acostuma fica fácil e dá até pra arriscar algumas palavras ou frases. É divertido!

YöDramas
  • Os atores
São lindos!! E eu não estou falando só dos meninos não - que são um pedaço de mal caminho por sinal - mas as meninas também, são lindas de dar inveja. Muitos rostos fofinhos...


  • Choram como ninguém 
Achou que tinha se surpreendido com as novelas mexicanas, que choram apenas com um olho?? Esquece tudo aquilo! Aqui, o nome já diz tudo: DRAMA. E não é só o personagem que chora não, VOCÊ TAMBÉM, e não é pouco não #AFF


  • Pais e familiares divertidos 
É cada um melhor do que o outro. Só de pensar já dá vontade de cair na risada... kkkkkkk É sério!

  • A País e sua Cultura
Se antes nunca havia pensado na Coréia do Sul como um lugar para entrar na sua rota de uma futura viagem, com certeza depois de ver doramas, ele estará. As locações onde são produzidos os K-dramas é paradisíaco. Tudo! Até lugares simples como ponto de ônibus, as ruas por onde os personagens transitam, suas casas, tudo mesmo...
As origens de alguém moldam mesmo seu jeito de ser. Dá pra ver isso claramente nos coreanos: são extremamente educados, contidos e politicamente corretos. Aprecio muito boa índole !

  • As músicas (OST)
São viciantes e grudam como chiclete. Te faz ir em algum canto fazer o download, porque durante o dia mesmo que você não tenha como ver o drama, vai querer ouvir a músiquinha que tocou naquele momento especial que gostou.
YöDramas
  • Histórias bem contadas
Tudo o que você gostaria de ver com certeza vai ter fazer gostar, e outras vão te surpreender. Tem de tudo, amorzinho, amizade - sempre tem amigos malucos, vilã, crianças fofas, música pra se divertir ou chorar.

E hoje, depois de quase um ano, é um amor que veio pra ficar. Já vi 6 k-dramas, 3 k-moves e 1 tw-movie. Já tenho uns baixados e outra lista infidável que só vem aumentando com o passar dos dias. Tempo me falta pra assistir mais compulsivamente. Porque digo uma coisa: ver um episódio por dia não dá. QUERO MAIS, sempre!

Bjks

Eu Li: Em Busca de Zoe


Fazia tempo que não gostava tanto de um livro... e essa capa hein?? #amo

Já imaginou se os seus segredos pudessem salvar outra pessoa, mais de uma maneira? Aos 15 anos, Echo além de lidar com seus problemas 'adolescísticos' ainda tem que traspassar sã e salva pelo assassinato de sua irmã mais velha - Zoë. Era ela que mantinha sua família unida e mesmo que as irmãs fossem diferentes como o Sol é da Lua, conseguiam manter um vínculo que nem a morte poderia cortar.

Um ano após o incidente, Echo ainda está processo de recuperação. Quando o namorado de Zoë, Mark, aparece com o diário dela, supõe que não tem nada nele que não saiba, mas é surpreendida com segredos que ninguém sabia.

Livro recheado de dramas e sentimentalismo. Esses são meus favoritos, pois vem carregados de lições para o leitor.
Agora sem a irmã, a pequena Echo vê um mundo sem cor e sem aquela que era sua preferida. Esse amor incondicional marca o leitor, mesmo que por fora a protagonista queira se mostrar forte e esperançosa.

"Porque esse tipo de momento, quando eu me deixo perder o controle, são só quando estou totalmente sozinha, ou seja, não são da conta de ninguém."

Outro ponto marcante pra mim foi o desejo desesperado de Echo ser como Zoë. Apesar de que em alguns momentos, achava isso um pouco sem graça e rotulá-la de infantil, depois a entendi pois essa era a forma de estar com a irmã mais uma vez: ver o que ela via, sentir-se como ela se sentia - VIVA. Era só saudade.

"E sinto muita falta de Zoë, tanto que meu coração dói, tanto que não há nada no mundo que eu não daria para tê-la de volta. Mas também há momentos que eu realmente a odeio. Por isso que ela me fez."

As amigas foram as que mais me incomodaram. Não são amigas de verdade, e isso foi triste sabe. Ver que Jenay e Abby não estavam ligadas no mundinho uma da outra, que se distanciavam ao invés de ser um momento em que deviam estar mais próximas do que nunca da Echo.

A leitura é leve, mas de um pouco tediosa de início. O começo mostra o cotidiano de uma adolescente se esforçando pra ser normal, comum, mesmo que tudo a sua volta esteja desmoronando como ser o comentário de uma cidade, a preocupação excessiva de seus pais, suas melhores amigas lutando para não constrangê-la com palavras que a lembrem do passado.

Em muitos momentos gostei muito mais da Zoë do que da Echo. Em como era vivaz, e trazia muito de si mesma para a história quando era lido seu diário. E é realmente ele - o diário - que torna a história interessante, em como podemos conhecê-las. E é isso que mais aprecio num livro: poder entrar dentro da cabeça das pessoas e sugar seus pensamentos. Porque se formos parar pra pensar, não há outra forma de conhecer intimamente alguém.

E deixo você com uma imagem linda que minha miga Eve fez... um quote fofo que me fez chorar #sentimental ^.^


Liberdade, enfim!


Quem é vivo sempre aparece, pelo menos, é o que dizem né. Daqui há 3 meses já ia fazer um ano em que não postava nada. Parei com o blog por vários motivos: não tinha tempo para postar, quase não lia nada, e um dos motivos mais importantes: não tinha motivação.

Então porque estou aqui? Bom, a motivação voltou. EU VOLTEI como queria. Depois de tanto pensar, cheguei a conclusão que o blog tinha tomado proporções que eu não queria: ser obrigada a continuar algo que não era a minha cara. Odeio a sensação de obrigação... gosto de ser livre.

Queria falar o que me desse na telha, sem ter que seguir nenhuma linha temática. Então, se você lembra do Livro... Filme... Música, infelizmente ele não existe mais. O que vem agora é um novo blog reforçado: Vícios Constantes. Porque após muitos anos percebi que eu sou isso: um emaranhado de vícios, alguns novos, outros velhos, alguns recentes e muitos outros que virão.

Há um mês estava pensando em voltar com o blog, mas agora encontrei o dia e a hora certa. É agora!
Não sei se isso vai agradar, mas quem é capaz de fazer todos felizes né? Eu quero ser feliz... com meus vícios constantes!

E nessa minha nova vibe deixo aqui um bem recente:


Até a próxima! Kiss