Eu Li: Estilhaça-me


Depois de tantas críticas ruins que li, foi uma grata surpresa amar muito esse livro.
Toda a leitura foi visceral, agonizante, alegre, triste, empolgante, e depois triste novamente; um misto de emoções tão numerosas que me senti tonta.

Uma protagonista/narradora que lhe transporta pra dentro do cérebro dela. Sua condição de enclausuramento por 264 dias em um espaço de 1, 48m² é dificultosa. É como se o leitor estivesse lendo o diário de seus pensamentos mais simples e intímos, da forma mais comovente que existe.

"Não me lembro de como era antes. A única existência que conheço agora é aquela que me foi dada. Um eco do que costumava ser."

Sem pais, sem amigos e sem qualquer vínculo social há anos. Porém, seus dias de solidão por causa do monstro que é (ou acha que é!) estão com os dias contados. Adam é a figura mais forte de um laço afetivo que Juliette está vivendo. Isso é lindo! Era como se eu derretesse junto com ela por causa das coisas lindas que ele falava/fazia por/para ela.

"O calor de um abraço amigo, a força das mãos firmes unindo todos os meus estilhaços, o alívo e libertação de tantos anos de solidão. Este presente que ele me deu eu não posso retribuir."
"Passei minha vida dobrada entre páginas de livros. Na ausência de relacionamentos humanos, criei laços com as personagens de papel. Vivi amor e perda por meio de histórias enredadas na história; experimentei a adolescência por associação."

Juliette tem um dom/maldição que a impede de ser uma pessoa que convive normalmente com outras pessoas, mas isso não é uma barreira para o Restabelecimento - a forma de Governo existente - que se tornou muito clara pra mim, apesar de ainda ter ficado muitas perguntas soltas no ar. Ouvi tanto borburinho por causa dessa falta de explicação mas isso não me impediu ou incomodou nem um pouco. Reparei que alguns querem muitas informações mas não fazem bom uso das que possuem. Toda a distopia foi muito óbvia do que poderá acontecer no nosso futuro, levando em conta que a humanidade e o Governo estão indo de mal à pior.

Achei tudo que a Mafi colocou nesse primeiro volume da Trilogia muito bom e satisfatório. Creio que nos próximos volumes haverá maiores esclarecimentos.

O livro foi muito bem dividido entre o mundo da protagonista e a união que há entre ela e Adam, e logo em seguida o mundo dele com mais personagens tornando a leitura mais fluida e menos tensa. Chegando até a ser engraçada (que fica por conta do James e o Kenji).

O debut da Taheref Mafi foi incrível. Fiquei abismada com a forma intensa e diferenciada de sua escrita. A maneira como caracterizou bem os personagens e deu uma vida colorida ao livro, que me fez desejar intensamente "Liberta-me", que já está vindo por aí  \o/ #happy

Preciso me tratar!

YöDramas
Quando eu acho que já tenho todos os vícios que uma pessoa poderia ter, eis que surge mais um na minha vida. Porque deve haver algum limite pra alguém tão obcecada como eu...

Tinha visto uma amiga virtual - a Nii - falar tão bem de doramas que não dei muito crédito e demorei a perguntar se poderia me indicar algum. E ela fez melhor que isso, me enviou um dvd com episódios completos. Não vou dizer qual foi porque em breve farei os posts dos doramas que já vi. Então aguardem...

Apesar de ter sido numa época muito ruim em que o dvd chegou. Quando comecei a ver meu computador estava perfeito mais depois de uns 5 episódios, meu filhinho morreu. Aí imagina o desespero de alguém que queria muito saber como tudo iria se desenrolar, tava muito bom mesmo gente. E eu precisei viver os outros episódios subornando minha irmã pra pegar o notebook dela emprestado. Deu uma canseira, mas acabei! E foi assim que começou meu amor louco por doramas! #fighting

Então aqui vai alguns motivos que dorama é tão bom, e eu preciso me tratar urgente. E se você não conhece, deveria dar uma chance também:

  • O idioma
 É lindo de se ouvir! Sendo que a primeira vez que eu assisti é estranho mas só porque é novo, e me fez rir muito, porém depois que se acostuma fica fácil e dá até pra arriscar algumas palavras ou frases. É divertido!

YöDramas
  • Os atores
São lindos!! E eu não estou falando só dos meninos não - que são um pedaço de mal caminho por sinal - mas as meninas também, são lindas de dar inveja. Muitos rostos fofinhos...


  • Choram como ninguém 
Achou que tinha se surpreendido com as novelas mexicanas, que choram apenas com um olho?? Esquece tudo aquilo! Aqui, o nome já diz tudo: DRAMA. E não é só o personagem que chora não, VOCÊ TAMBÉM, e não é pouco não #AFF


  • Pais e familiares divertidos 
É cada um melhor do que o outro. Só de pensar já dá vontade de cair na risada... kkkkkkk É sério!

  • A País e sua Cultura
Se antes nunca havia pensado na Coréia do Sul como um lugar para entrar na sua rota de uma futura viagem, com certeza depois de ver doramas, ele estará. As locações onde são produzidos os K-dramas é paradisíaco. Tudo! Até lugares simples como ponto de ônibus, as ruas por onde os personagens transitam, suas casas, tudo mesmo...
As origens de alguém moldam mesmo seu jeito de ser. Dá pra ver isso claramente nos coreanos: são extremamente educados, contidos e politicamente corretos. Aprecio muito boa índole !

  • As músicas (OST)
São viciantes e grudam como chiclete. Te faz ir em algum canto fazer o download, porque durante o dia mesmo que você não tenha como ver o drama, vai querer ouvir a músiquinha que tocou naquele momento especial que gostou.
YöDramas
  • Histórias bem contadas
Tudo o que você gostaria de ver com certeza vai ter fazer gostar, e outras vão te surpreender. Tem de tudo, amorzinho, amizade - sempre tem amigos malucos, vilã, crianças fofas, música pra se divertir ou chorar.

E hoje, depois de quase um ano, é um amor que veio pra ficar. Já vi 6 k-dramas, 3 k-moves e 1 tw-movie. Já tenho uns baixados e outra lista infidável que só vem aumentando com o passar dos dias. Tempo me falta pra assistir mais compulsivamente. Porque digo uma coisa: ver um episódio por dia não dá. QUERO MAIS, sempre!

Bjks

Eu Li: Em Busca de Zoe


Fazia tempo que não gostava tanto de um livro... e essa capa hein?? #amo

Já imaginou se os seus segredos pudessem salvar outra pessoa, mais de uma maneira? Aos 15 anos, Echo além de lidar com seus problemas 'adolescísticos' ainda tem que traspassar sã e salva pelo assassinato de sua irmã mais velha - Zoë. Era ela que mantinha sua família unida e mesmo que as irmãs fossem diferentes como o Sol é da Lua, conseguiam manter um vínculo que nem a morte poderia cortar.

Um ano após o incidente, Echo ainda está processo de recuperação. Quando o namorado de Zoë, Mark, aparece com o diário dela, supõe que não tem nada nele que não saiba, mas é surpreendida com segredos que ninguém sabia.

Livro recheado de dramas e sentimentalismo. Esses são meus favoritos, pois vem carregados de lições para o leitor.
Agora sem a irmã, a pequena Echo vê um mundo sem cor e sem aquela que era sua preferida. Esse amor incondicional marca o leitor, mesmo que por fora a protagonista queira se mostrar forte e esperançosa.

"Porque esse tipo de momento, quando eu me deixo perder o controle, são só quando estou totalmente sozinha, ou seja, não são da conta de ninguém."

Outro ponto marcante pra mim foi o desejo desesperado de Echo ser como Zoë. Apesar de que em alguns momentos, achava isso um pouco sem graça e rotulá-la de infantil, depois a entendi pois essa era a forma de estar com a irmã mais uma vez: ver o que ela via, sentir-se como ela se sentia - VIVA. Era só saudade.

"E sinto muita falta de Zoë, tanto que meu coração dói, tanto que não há nada no mundo que eu não daria para tê-la de volta. Mas também há momentos que eu realmente a odeio. Por isso que ela me fez."

As amigas foram as que mais me incomodaram. Não são amigas de verdade, e isso foi triste sabe. Ver que Jenay e Abby não estavam ligadas no mundinho uma da outra, que se distanciavam ao invés de ser um momento em que deviam estar mais próximas do que nunca da Echo.

A leitura é leve, mas de um pouco tediosa de início. O começo mostra o cotidiano de uma adolescente se esforçando pra ser normal, comum, mesmo que tudo a sua volta esteja desmoronando como ser o comentário de uma cidade, a preocupação excessiva de seus pais, suas melhores amigas lutando para não constrangê-la com palavras que a lembrem do passado.

Em muitos momentos gostei muito mais da Zoë do que da Echo. Em como era vivaz, e trazia muito de si mesma para a história quando era lido seu diário. E é realmente ele - o diário - que torna a história interessante, em como podemos conhecê-las. E é isso que mais aprecio num livro: poder entrar dentro da cabeça das pessoas e sugar seus pensamentos. Porque se formos parar pra pensar, não há outra forma de conhecer intimamente alguém.

E deixo você com uma imagem linda que minha miga Eve fez... um quote fofo que me fez chorar #sentimental ^.^


Liberdade, enfim!


Quem é vivo sempre aparece, pelo menos, é o que dizem né. Daqui há 3 meses já ia fazer um ano em que não postava nada. Parei com o blog por vários motivos: não tinha tempo para postar, quase não lia nada, e um dos motivos mais importantes: não tinha motivação.

Então porque estou aqui? Bom, a motivação voltou. EU VOLTEI como queria. Depois de tanto pensar, cheguei a conclusão que o blog tinha tomado proporções que eu não queria: ser obrigada a continuar algo que não era a minha cara. Odeio a sensação de obrigação... gosto de ser livre.

Queria falar o que me desse na telha, sem ter que seguir nenhuma linha temática. Então, se você lembra do Livro... Filme... Música, infelizmente ele não existe mais. O que vem agora é um novo blog reforçado: Vícios Constantes. Porque após muitos anos percebi que eu sou isso: um emaranhado de vícios, alguns novos, outros velhos, alguns recentes e muitos outros que virão.

Há um mês estava pensando em voltar com o blog, mas agora encontrei o dia e a hora certa. É agora!
Não sei se isso vai agradar, mas quem é capaz de fazer todos felizes né? Eu quero ser feliz... com meus vícios constantes!

E nessa minha nova vibe deixo aqui um bem recente:


Até a próxima! Kiss