Eu Li: Liberte Meu Coração


Esse livro tem uma capa maravilhosa e muito convidativa para qualquer leitor que gosta do gênero Romance Histórico se deliciar. E foi o que eu fiz! Gostei muito de "Liberte Meu Coração" e fiquei mais feliz ainda por ter sido esse o primeiro livro que tenho a oportunidade de ler da Meg Cabot, pois a história de Finnula e Hugo me troxe contentamento.

Vou ser super sincera e dizer que não achei nada "Oooohhhhhh!" na escrita dela. Achei que a livro teve seus altos e baixos, em alguns capítulos eu estava super entretida, e em outros era mortalmente maçante. Porém, com uma visão geral de tudo o livro foi muito BOM para que se propôs.

Finnula Crais é uma jovem aventureira, fora do convencional mas que tem uma reputação a zelar... É a única da família de 6 mulheres que usa calças, vive trotando com sua égua, Violeta, e que caça com um arco e flecha. Com um feminismo acima da média, é muito falante e ajuda os habitante da sua cidade que são "violentados" com altos impostos e a falta de suprimento para subexistir.

Mas quando sua irmão que é solteira gasta todo o dinheiro do seu dote com coisas frívolas e acaba ficando grávida, elas planejam um sequestro para recuperar o dote e ajeitar a vida. Sendo o alvo de tal ato o Conde Hugo Fitzstephen... aí você já pode imaginar as consequências dessa ação né!

Pensei que talvez Meg Cabot devia estar muito bêbada quando colocou o nome de sua protagonista de Finnula. Meu Deus, que nome horroroso!!! Eu tive que me controlar para não cair na risada toda vez que lia esse nome no decorrer da leitura. Será que não tinha um outro nome... tá, eu devo estar perdendo alguma coisa por não ter lido a Série Diários da Princesa que explica alguma coisa a mais sobre porque a Princesa Mia escreveu essa história. Mas fazer o quê né! rs

Hugo Fitzstephen é um cavalheiro admirável, mas senti muito falta dele ter uma personalidade mais cativante. O achei muito passivo, faltou algo... talvez mais vivacidade, personalidade. Acho que esses romances estão me deixando um pouco exigente.
Mas ele é um personagem interessante, e com uma vida diferente. E o modo como ele se apaixonada pela Finnula é muito fofinho.
"Qual era o problema? Quem era essa tal de Finnula Crais que o tinha deixado tão nervoso com um único olhar? Centenas de mulheres olharam para ele na vida, e ele nunca tinha reagido assim antes [...] O que havia com aquela ruivinha astuta e ridiculamente vestida que o fizera ir atrás dela como um gato atrás de uma gata no cio?"
"Eu realmente acho que não foi a razão que perdi, donzela Crais, mas meu coração.

Finnula te faz ficar grudada na história. Ela é totalmente imprevisível, nos chocando com seus pensamentos e ações. É hilária com seu jeito espivetado e em outros com seu jeito pudica; mandona e meiga. O jeito dela pouco convencional foi o que mais me agradou porque ela foge daquele molde de que a mulher antiga devia saber cozinhar, costurar, tricotar, cuidar impecavelmente do lar onde vive. Ela é o oposto disso!
"Bem, é bom que você saiba que existem algumas mulheres que também não se importam com o casamento! E eu sou uma delas! Estou dizendo para você exatamente agora que seria uma esposa deplorável. Não sei costurar, não sei limpar e sou um desastre na cozinha. Sairia de casa toda madrugada para caçar durante o dia inteiro e voltaria para casa a noite cheia de lama e cansada, e vou estar com uma aparência tão ruim [...]"

E o que me deixou radiante é que esse livro não termina com um "Felizes Para Sempre, ele conta sobre o "Felizes Para Sempre", que tem uns contratempos, adaptações no meio disso tudo, e que faz tudo ficar melhor. :)

6 comentários

Marcelo Lima disse...

Não gostei muito desse livro , mas não é ruim tbm...

Caline disse...

Tenho muita vontade de ler esse livro, a capa é linda e bem atrativa.
Espero me divertir e gostar bastante do livro, quem sabe tenho sorte e acabo gostando mais do que você deixou.

Beijos, Caline
Mundo de Papel

Babi Lorentz disse...

Finnula me lembra Firula. E entendo a sua vontade de querer rir toda vez que lia o nome da personagem.
Eu pensava que para ler este livro era necessário ter terminado a leitura da série O Diário da Princesa.
Ler sua resenha foi ótimo para me deixar sabendo que não é preciso.
Agora quero ler. Mas mais por ser da Meg do que por qualquer outro motivo.
Beijão

Brunna Vieira disse...

Amo os livros da Meg,desde que li a série A Mediadora me apaixonei pela criatividade dela.Acho interessante o jeito que ela "equilibra" os fatos sem que fique muito triste ou açucarado. Tenho muita vontade de ler esse livro, e depois dessa resenha aumentou um pouco rs

Adoro aqui =)
http://brunnavieeira.blogspot.com.br/

Any Carolinne - Temporario! disse...

Ai eu queroooo!!! Já estou curiosa, gosto de romances que fogem do que é comum no nosso dia a dia....

Evellyn disse...

Sim, a capa é o que me atrai!
Eu nem queria ler até falarem bem dele no encontro Meg quando eu fui no lançamento...
Mas é a 1ª vez que vejo alguém dizer que ele não é essa coca-cola toda!
Todo mundo odeia o nome Finnula, é mt estranho! rs Mas foi coisa da princesa Mia! Mas mesmo com os baixos do livro, pelo menos a Fin é engraçada!
Mas que pena que o mocinho não é tão cativante!

bjs
Evellyn!