Eu vi: Falando Grego

domingo, fevereiro 28, 2010



Gostar daquilo que faz e torná-lo ainda mais divertido. Sempre foi isso que eu tinha em mente sobre arrumar um emprego, pois se você não gosta do que faz, tudo se torna péssimo: o lugar, as pessoas e até a própria pessoa se transforma em alguém que nem ela mesma conhece. Mas acho que eu estou me precipitando...


O filme conta a incrível história de Georgia (Nia Vardalos) é uma americana de origem grega que trabalha como guia turística justamente... na Grécia. Mas na realidade é uma desiludida e desempregada professora universitária, que sonha em dar aulas sobre a História pois não aguenta mais como os gregos vivem naquela cidade histórica mas não dão valor. Sua vida é extremamente entediante e ela vive sempre cansada pois os turistas parecem curtir mais as compras do que aprender alguma coisa sobre a Grécia. E é o que ela faz, quer ensinar toda a história da Grécia aos seus grupos. E acaba se tornando a "chata", e péssima no que faz. Hotéis baratos, ônibus velho, calor infernal e turistas "engraçadinhos" tornaram Georgia uma mulher frustrada.

Até o dia em que Irv Gordon (Richard Dreyfuss), um turista muito especial, aparece. Com seu senso de humor ele tenta mostrar todas as possibilidades de viver bem, ser feliz e não perder a chance de ter um grande amor, enfim, recuperar seu kefi, como dizem os gregos. Agora cabe a Georgia parar de reclamar e perceber que tudo isso sempre esteve bem embaixo do seu nariz. O motorista é um patinho feio e Georgia, claro, vai achar o seu "kéfi", palavra grega que poderia ser traduzida por alma, mas está mais é para paixão ou tesão de viver.


Alguém sentiu falta dele tirar a camisa mais vezes?? Pois eu senti, OMG!!!!!!!!!!, eu hiperventilei e tudo!!! Quase parei no hospital. E justamente pela previsibilidade de uma excursão turística.

E assim seria, se não fosse a presença iluminada de Richard Dreyfuss no papel do tal piadista. Ele, sim, é a kéfi do filme. Eu o amei, ele é tão carismático e extrovertido, e é capaz de mostrar a Georgia como viver sem perder sua essência.

Sempre uso filmes para fazer uma auto-análise da minha vida. Tenho que parar de levar tudo muito à sério, ser mais risonha, me tornar mais feliz, encontrar meu "kéfi", senão de que valerá toda uma vida?? Somente para crescer, amadurecer, envelhecer e morrer?? Pois a minha não!


XOXO,

1 comentários:

Anônimo disse...

queee legaal teeu blog!
contiinue escreevendo taah!

Beijãão







Design e código feitos por Julie Duarte. A cópia total ou parcial são proibidas, assim como retirar os créditos.
Gostou desse layout? Então visite o blog Julie de batom e escolha o seu!