The Last Song - Nicholas Sparks

sexta-feira, fevereiro 26, 2010

Para quem não sabe, mais um livro do Nicholas Sparks vai virar filme.

O livro The Last Song, será protagonizado por Miley Cyrus, Greg Kinnear, Bobby Coleman, Liam Hemsworth, Hallock Beals, Kelly Preston, Stephanie Leigh Schlund, Nick Searcy, Kate Vernon, Melissa Ordway, Adam Barnett.

Estou ansiossíma para ver isso. Mais um filme para minha coleção de filmes do Nicholas.

Livro Original. Livro Traduzido pela Editorial Presença, pode ser adquirido pela Livraria da Travessa.

Achei uma entrevista do Nicholas Sparks ao Diário Digital, falando sobre como escreveu o livro: Nicholas Sparks é um dos autores que mais vende no Mundo.

"A Última Canção" é o seu mais recente livro. Editado esta terça-feira pela Presença, a obra já está à venda nas livrarias nacionais. O amor adolescente e a relação entre uma filha e um pai separado são os temas principais de uma história que será adaptada para o cinema em 2010, sendo a protagonista Miley Cyrus, vulgarmente conhecida por Hannah Montana. Sparks está satisfeito com o desfecho de "A Última Canção" .

Sucesso onde foi editado, alcançando em vários países a denominação ambicionada por todo o escritor, a de best seller, o norte-americano garante que não alteraria uma palavra da sua nova novela.

Pela primeira vez Sparks fala sobre a adolescência, um estado humano onde tudo é vivido no limite. Separação, desilusão, esperança e, sobretudo, o amor, todos os ingredientes que fazem do norte-americano uma das referências das letras mundiais, podem ser encontrados em "A Última Canção". "Foi na verdade um desafio escrever sobre esses temas todos juntos, sem cair no melodrama. Já tinha retratado alguns desses temas nos meus anteriores romances, mas nunca reuni todos numa única obra e nunca a partir da perspectiva de um determinado personagem", refere nesta entrevista via mail. Sparks confessa ainda que gosta de romance em particular porque todas as personagens encontraram "a redenção", algo, segundo o norte-americano, "complicado de conseguir quando escrevemos um romance". Mas, mais uma vez, o norte-americano conseguiu. Redenção para os personagens mas principalmente para milhões de leitores espalhados em todo o Mundo, que encontram nas palavras do norte-americano muitas vezes forças para prosseguir as suas vidas…


Como surgiu a inspiração para esta história, uma história com adolescentes, algo que não é habitual na sua obra?
A inspiração foi escrever uma história interessante e original como procuro fazer com os meus romances, sempre que possível. Porque nunca escrevi antes sobre uma adolescente, estava a ponderar essa possibilidade quando fui contatado pela Disney, que perguntou se eu tinha algum projeto, alguma ideia para a Miley Cyrus. Nas seis semanas seguintes pensei sobre a história. Na verdade, tive a felicidade de tudo acontecer como eu desejava. Em outras palavras, foi uma história menos inspirada e mais pensada.

Sentiu-se confortável ao escrevê-la?
Eu adoro a história. Olhando para atrás, sinceramente não mudaria nada.

Este livro, em termos de páginas, é o maior que escreveu. Foi mais complicado o processo de escrita? Sim, é o meu livro mais extenso, mas a história vale por si. Abordo nela inúmeras relações, namorado-namorada, filha-pai, filha-irmão, assim como um número diferente de situações. Para escrever um livro que surgiu com mais relacionamentos e mais situações necessitei de um romance maior. Quando comecei a escrever não pensei necessariamente no seu tamanho. Na realidade, acabei por escrever "A Última Canção" no mesmo período de tempo dos meus anteriores livros. Mas espero que a minha próxima obra seja um pouco menor.

"A Última Canção" é sobre uma história de amor adolescente, mas também sobre a infidelidade, o divórcio e o cancro, por exemplo. Como foi escrever sobre estes temas?
Foi na verdade um desafio escrever sobre esses temas todos juntos, sem cair no melodrama. Já tinha retratado alguns desses temas nos meus anteriores romances, mas nunca reuni todos numa única obra e nunca a partir da perspectiva de um determinado personagem

Falando sobre as personagens, o que mais gosta delas?
Gostei do fato de todas os personagens terem encontrado a redenção na obra. Às vezes é complicado conseguirmos isso quando escrevemos um romance, mas em "A Última Canção" foi possível. Gosto de todas as personagens, com excepção do Marcus. Mas não é suposto o leitor também gostar dele…

Acredita no que escreveu? Acha que esta história de amor adolescente é real?
Sem dúvida. Criei um Romance de Verão e esses são tão reais como o Verão propriamente dito. As pessoas encontram-se, sentem química entre elas e a paixão acontece. Isso acontece a todo momento. A verdadeira questão, porém, é saber se o amor vai durar para sempre. Quem decide isso são os leitores.

Acredita que o divórcio é um dos grandes traumas da adolescência, mais do que a morte? Do seu ponto de vista, como os pais devem lidar com o divórcio em relação aos seus filhos?
Não, nem pensar, acredito que a morte dos pais ou de um irmão, por exemplo, são traumas superiores a um divórcio. Sobre como os pais devem lidar com o divórcio, tudo depende como ele acontece, se terminou com uma boa ou má relação entre os pais. Em "A Última Canção" os pais têm uma boa relação e quando Ronnie luta contra isso ela é ainda uma boa pessoa.

Os adolescente amam demais e muitas vezes esquecem a realidade. Isso é benéfico?
Amor é amor, não importa a idade. A emoção é o que é, e esse sentimento é maravilhoso, algo de mágico. Evidentemente que as diferentes idades trazem diferentes perspectivas sobre a vida, mas as pessoas podem se apaixonar em qualquer idade. Há sempre um aspecto de irracionalidade quando se trata de amor.

Como devem agir os pais quando vêem o seu filho apaixonado?
Depende da idade, mas, aos 16, 17 anos, a minha opinião é que os pais devem tratar os seus filhos como se tivessem 20, 30 anos. Sejam felizes por eles. No entanto, o amor nunca deve ser usado como uma desculpa para pararmos no tempo, para não amadurecermos. Ou seja, só porque um adolescente está apaixonado, ele não tem o direito de faltar a escola, por exemplo. O mundo não funciona dessa forma, regras são regras, mesmo que uma pessoa esteja apaixonada.

Definitivamente, o amor conquista tudo?
Não, mas ajuda a ultrapassar os momentos menos positivos da vida.

Escreveu o livro ao mesmo tempo que escreveu o argumento? Como foi este processo? Ficou feliz com a escolha de Miley Cyrus? Bem ou mal, é a junção de duas referências da atualidade: Cyrus na televisão e Sparks na literatura.
Concebi primeiro o livro, depois a forma do filme. Escrevi então o argumento e finalmente o livro. Não escrevi tendo em conta Miley no papel principal do filme, não escrevi com isso em mente. Procurei antes de tudo escrever uma grande história. O papel da personagem pode ser interpretado por qualquer jovem atriz.

Como analisa a progressão da sua carreira? Olhando para atrás, imaginou chegar onde está neste momento? Qual foi, para si, o ponto de partida?
Honestamente não penso muito sobre a progressão da minha careira. O que me preocupa é o que estou a fazer neste momento, essa é a natureza da minha personalidade. Com exceção do sucesso do meu primeiro romance, nada foi particularmente surpreendente. Acredito que o ponto de partidafoi quando percebi que poderia ganhar a vida como escritor.


Esse filme "A Última Música" estréia dia 14 de Maio de 2010 nos cinemas brasileiros. Amei essa entrevista. Ele é tudo o que uma leitora pode esperar de um escritor: autêntico, não-egoísta, carinhoso e o principal, acredita no amor.

Obrigado Nicholas por tudo.


XOXO,

1 comentários:

Vitória disse...

ñ sei onde baixar esse livro em português vi o filme e qero mto ler o livro !







Design e código feitos por Julie Duarte. A cópia total ou parcial são proibidas, assim como retirar os créditos.
Gostou desse layout? Então visite o blog Julie de batom e escolha o seu!