Eu Li: A Garota do Outro Lado da Rua

 
Quando comecei a ler "A Garota do Outro lado" pensei que ia achar um linda história de amor mas infelizmente não foi isso que vi.

Gostei muito do livro, tem passagens lindas mas apenas por conta da boa caracterização do personagem Enzo.
Ele é cute, o namorado que toda adolescente gostaria de ter. É aquele tipo de pessoa que encantador e perfeito.
"Se ele sentisse uma fração mínima do que eu sentia por Rafaela, jamais se atreveria a tocá-la daquela maneira... Comecei a acreditar que, assim como meu pai, eu não seria um homem de pular de galho em galho. Amaria a minha escolhida para sempre"
Quando conhece Rafaela, sua vizinha da casa da frente, se apaixona por ela. Não é uma paixonite rápida e fulgaz mas sim algo duradouro. Enzo se martiriza por isso, pois ela é popular e ele é nerd.
Até que ele tem a oportunidade de uma aproximação quando em uma excursão escolar se perdem. E aí, que terão a oportunidade de tirar a prova real de quem realmente são e do que imaginavam um do outro.

Rafaela se mostra uma garotinha irritante e rabugenta, e amável em outros. Para Enzo pode até ser que tudo nela seja agradável e tal, mas para mim, ela não passou de uma adolescente irritante, que se fingia de boazinha quando lhe convinha. E infelizmente, ele como um garoto apaixonado só conseguia ver o que sentia por ela. Na verdade, o livro todo foi uma oscilação constante, dele vendo quem ela era e o que pensava a respeito de Rafaela.

Infelizmente, ela foi a pessoa que existiu no livro para torná-lo fraco. Em nenhum momento, o leitor verá que Rafaela e Enzo são almas gêmeas. São opostos de um acaso muito louco.

"A Garota do Outro Lado da Rua" nos mostra que conseguimos chegar a amar alguém muito diferente de nós. Que não nos acrescentará nada de bom. Enzo é um jovem muito mais maduro, que sabe o que quer, que saca os deboches dela e sua insinuações mas que em vários momentos vê que Rafaela é só um conjunto de cabelo, corpo, rosto, sorrisos bonitos, porém não é nada além disso.
"Acho que debaixo desse fachada fútil, existe uma pessoa realmente especial. É impossível que alguém vazio pudesse emanar tanto brilho. Se você juntasse o que tem por dentro, com o que tem por fora, a verdadeira Rafela seria simplesmente imbatível."
O final foi péssimo e ótimo na minha visão. Acho que foi isso que não me permitiu amar o livro com tanta intensidade, pois ele tinha boas características para que isso acontecesse. O fato da protagonista se manter no mesmo lugar de sempre, ainda mais quando existe aquele início de "A Borboleta" e aí eu fiquei com um ponto de interrogação enorme no final - COMO ASSIM?????

Enfim, o livro foi criado com um propósito, que é ser usado nas escolas. Tomara que seja bem usado mesmo, e que muitos jovens percebam que "as aparências enganam".

4 comentários

Kézia Lôbo disse...

Bahh confssso que esperava bem mais da história, pena, meu pique caiu, agora não sei se quero tanto ler como antes.

Idelmária Ferreira disse...

Cheguei no seu blog por acaso, e olha, gostei muito da sua resenha, a leitura fácil e deslizantes me fez ler tudo rapidinho, parabéns!
Deu vontade de bater na menina, mas to bem rs

http://idelmaria.com

Gabriel Costa disse...

Olá Clarisse, conheci seu blog pelo Amount of Words. Gostei da resenha. Tenho muita curiosidade pra ler algum livro da Lycia Barros.

Já estou seguindo o blog. Ficarei feliz e grato com sua visita lá no meu blog também (que, por sinal, tem nome parecido com o seu haha). Se puder seguir também, melhor ainda! :-)

Beijos
Gabriel - Música, TV etc.

Joyce Gomes disse...

http://pequenasevidenciasdoamor.blogspot.com.br/