Just Listen - Sarah Dessen

domingo, dezembro 05, 2010

Bom dia!!!

Hoje é domingo e é dia de Sarah Dessen aqui no Livro... Filme... Música. Como disse na postagem de sexta-feira, hoje vai ocorrer uma mudança; hoje em vez de seguirmos com a cronologia dos livros publicados da Sarah, vamos avançar e ler a resenha do 7° livro dela: Just Listen. A postagem de sexta nos trouxe a atenção, que alguém ouviu os nossos rogos (ou simplesmente se interessou pela Sarah) e vão lançar esse livro aqui no Brasil. Eeeeeeeeeeeeeeeehhhhhhhhhh, estou muito feliz!! Bem, estamos muito felizes; palavras essa da Dayse, Barbara e da Giu.

Então vamos para de enrolação e vamos ao que interessa!! A resenha de hoje ficou sob a responsabilidade da Dayse. Ainda não conhecem a figura que ela é? Estão perdendo! Olhem o perfil dela e também um lindo texto da Sarah falando sobre a Arte de Escrever (AQUI), e hoje vocês vão ter o gostinho de apreciar mais um pouquinho do perfil da Dayse e conferir a resenha que ela fez de Just Listen.

A Sarah foi a primeira que eu conheci que achou o meio termo. Os livros dela são tristes e engraçados ao mesmo tempo. Meigos e violentos. Românticos e frustrantes. Ela explora bem todos os relacionamentos mais dominantes na adolescência. Os pais, os irmãos, os amigos, a escola, e principalmente, o relacionamento e conflitos que nós quando adolescentes temos conosco mesmo.
Você nunca sente que as personagens narradoras estão sendo dramáticas demais, mesmo quando elas, de fato, estão sendo. Eis o quão convincente a voz da Sarah é. Você entende todos os problemas que a personagem esteja passando, mesmo que você não encontre nada de comum com ela. A voz da Sarah é tão tocante, você começa a sentir que vocês estão se tornando melhores amigas ao longo da história.

Sabe aquele sentimento que a gente tem toda vez que termina um livro muito bom? Sentimento que acabou rápido demais, muito de repente. Eu sinto algo diferente com os livros da Sarah. Eu não sinto que acabou rápido, só de repente. Dá pra entender a diferença? Você começa a sentir o mesmo peso que os personagens vêm sentindo por anos, e mais do que tudo, você quer que isso termine. Não no sentido “Meu Deus, esse livro é tenso demais, será que tá acabando?” mas no sentido “Nós duas já aguentamos isso por tempo demais, está na hora de isso mudar”. Mas os livros da Sarah terminam, sim, de repente. E de propósito. Certas histórias são deixadas em aberto, várias situações não são resolvidas. Mas não no sentido ruim. Você não termina o livro revoltada – pelo menos não no meu caso. É como se fosse alguém que você tivesse conhecido no ônibus e feito amizade. Esse alguém te conta uma história, uma história que você gosta muito, e depois vai embora. Você nunca mais vê essa pessoa, nunca mais descobre o que aconteceu depois, mas sempre se lembra da história que ela contou com carinho.

RESENHA: JUST LISTEN 


E aí pessoal, Dayse na área. Se vocês leram meu post de apresentação, então devem ter percebido que eu só um pouco, hm, extensa nas palavras. Mas prometo que vou tentar ser bastante sucinta nessa resenha, mesmo porque, se eu escrever demais, spoilers podem aparecer, e ninguém quer isso, né?

Um pouco de informações técnicas. Just Listen (2006) é o sétimo livro publicado da Sarah Dessen. A sinopse oficial é a seguinte: Quando Annabel, a mais nova de três lindas irmãs, tem uma amarga separação de sua melhor amiga – a popular e empolgante Sophie – ela de repente se encontra isolada e sem amigos. Mas então, ela conhece Owen – um solitário, apaixonado por música e seu programa de rádio semanal, e sempre determinado em contar a verdade. E quando desenvolvem uma amizade, Annabel não só aprende a apreciar novos tipos de música, ela também é encorajada a ouvir sua própria voz interior. Com a ajuda de Owen, será que Annabel encontra coragem pra falar sobre o que exatamente aconteceu na noite que a sua amizade com a Sophie veio ao fim?Ok, basicamente, o livro fala de preconceitos. Certa vez, nossa querida Sarah estava esperando pra ser chamada pra uma palestra, em uma escola. Enquanto ela esperava, ela viu um Year Book (Livro do Ano – algo comum nas escolas dos EUA, que têm fotos dos alunos e eventos escolares do ano), e enquanto folheava, ela viu uma foto de três meninas lindas, que obviamente eram irmãs. Ela logo pensou que essas meninas tinham cara de ter tudo o que querem. Uma família fenomenal, uma vida social boa, meninos, etc. Logo, o nome da Sarah foi chamado, e ela foi dar a tal palestra. Quando ela estava dirigindo de volta para casa, porém, ela não conseguia parar de pensar naquela foto e como ela tinha pulado para conclusões com tanta facilidade. Então ela começou a pensar como deveria ser a vida daquelas meninas. Ter todo mundo te julgando com tanta rapidez, sendo que é impossível que a vida delas seja tão fácil quanto aparenta ser. Ninguém NUNCA tem uma vida fácil demais. E foi assim que a história da Annabel começou a se formar.

Para mim, esse lado do preconceito nunca foi tão forte, porque eu sempre tive amigos de todas as formas e cores. Mas no livro nós também temos o Owen.

Ah, o Owen.

 
Então, eu acredito que eu devo avisar que o Owen tem uma personalidade um tanto quanto... intensa. Ela já entrou em muita confusão por causa da sua dificuldade de controlar sua raiva. Mas uma coisa que eu ele temos MUITO em comum é o nosso gosto em música. Isto é, nós ouvimos coisas esquisitas que ninguém nunca ouviu falar antes. E eu achei tão esperto da Sarah Dessen de usar música como metáfora para relacionamentos nesse livro. Porque quando se trata de música, todo mundo sempre leva as opiniões dos outros meio pro lado pessoal, não é? Eu particulamente, sempre fui um tanto quanto arrogante em relação a isso. Eu sempre achei que o que EU gostava era melhor, de mais qualidade, com letras e arranjos musicais mais bonitos. Tanto é que essa a minha parte preferida do livro:


“Então, você deve mesmo gostar de música,” eu disse, olhando para as pilhas de CDs.

“E você não?” Ele respondeu, mudando de faixas.

“Claro,” eu disse, “quer dizer, todo mundo gosta, não?”.

“Não,” ele disse na lata.

“Não?”

Ele balançou a cabeça. “Alguma pessoas pensam que gostam de música, mas não têm a mínima ideia do que ela realmente representa. Elas estão mentindo pra si mesma. Daí têm aqueles que sentem algo forte por música, mas não estão escutando as coisas certas. Eles são mal direcionados. E aí, tem pessoas como eu.”

Eu só fiquei lá por um segundo, estudando ele. O cotovelo dele ainda estava do lado de fora da janela, ele estava recostado em seu banco, sua cabeça praticamente batendo no teto acima dele. De perto, eu estava começando a me dar conta de que ele era meio que intimidante, mas por motivos diferentes. Seu tamanho, sim, mas outras coisas também – como aqueles olhos escuros aqueles braços finos, mas musculosos, e ainda mais, o olhar intenso, que ele agora ele direcionou para mim antes de voltar sua atenção para a estrada de novo.

“Pessoas como você,” eu disse. “Que tipo de pessoas?”
Ele ligou a seta de novo e começou a diminuir a velocidade. Logo em frente, eu podia ver a minha antiga escola do ensino fundamental, um ônibus amarelo saindo do estacionamento.

“O tipo de pessoas que vive por música e está constantemente procurando-a, em qualquer lugar que puderem. Pessoas que não conseguem imaginar a vida sem música. Eles são iluminados.”

E o tempo todo, durante o livro, o Owen quer transformar a Annabel em uma Iluminada também. Mas ela é osso duro de roer, e junto com a irmã mais nova de Owen, ela tenta mostrar pra ele o tanto que ele é arrogante e preconceituoso, e como não tem problema nenhum de as pessoas escutarem qualquer tipo de musica que elas quiserem.

Aos poucos, esses dois mundos, o da música e os dos conflitos de Annabel se juntam, e essa é a beleza do livro. Já o nome do livro vem da seguinte história: O Owen grava um monte de CDs pra Annabel, cada um tinha um titulo. “Músicas Africanas”, “Música Eletronica”, etc etc. Mas tinha um que estava escrito apenas “Just Listen”. Não vou contar o que tinha nesse CD, porque vale a pena descobrir no livro. Mas é MUITO legal.

E é isso. É um livro sobre como lidar com novos relacionamentos, mas principalmente como lidar com os antigos (no caso, a tal Sophie e as irmãs da Annabel, que também têm MUITOS problemas). Mas o tempo todo, quando você perde o ar com tanta tensão, a Sarah tem piedade da gente, e trás a tona a irmãzinha mais nova do Owen, que é a coisa mais lindinha nesse livro. Enfim, é tudo bom e vocês querem ler, vai por mim. Então, não esqueçam de divulgar a nossa REVOLUÇÃO LITERÁRIA!
 Quero os livros da @sarahdessen publicados no Brasil!! Eu apoio essa ideia... http://migre.me/1SQMk

E por enquanto é só! Beijos enormes, e de novo orbigada se você leu até aqui!

Dayse D.


E aí, curtiram? Essa é só uma breve visão do livro que já está à venda na Livraria Cultura por R$36,90. Então corram e adquira o seu, e não esqueça de comentar dizendo o que vc achou do livro hein!!

Levem o banner e ajude na divulgação. Queremos outros livros da Sarah no Brasil, e de preferência tooooodooosss!





Ou então twitte a frase: "Eu quero os livros da @SarahDessen no Brasil! Eu apoio essa ideia... http://migre.me/1SQMk

Comentem e faça uma blogueira muito feliz. E na semana que vem teremos uma colaboradora novata resenhando "Someone Like You". Não Perca!!

XOXO, da Lisse


7 comentários:

Clarisse Cunha disse...

Dayse, fofura do meu coração!!!
Estou na maior expectativa quanto a Just Listen. Essa com certeza foi a maior novidade do ano! Teremos Sarah Dessen no Brasil, ehhhhhhh!

Eu já amava essa capa por ter uma garota ouvindo música, que eu adoro! E é algo que você e eu temos em comum. A história de Annabel parece ser muito bonita, e com o Owen vai num patamar de 100 pontos! Eu quero um Owen para mimmmmmm!

Tô doida que o meu livro chegue logo para matar minha curiosidade.

Obrigada pela sua participação mais uma vez, e obrigada por compartilhar comigo essa emoção e esse sonho. Beijos Dayse,

XOXO, da Lisse

Vicky Doretto disse...

Eu gostei da ideia, adoro os livros dela!
Irei divulgar nos meus blogs ainda nessa semana ^-^ BJus

Daniela Tiemi disse...

Eu já coloquei o banner no meu blog. Adorei a resenha, já tinha vontade de ler este livro antes, agora então... Mais ainda! rs.
Bjo.

Beli disse...

Ow! Coloquei varios livros dela na minha Wishlist, adicionei no Skoob... Caramba! Adorei as sinopses e as capas dos livros! E que bom que vão começar a publicar seus livros por aqui!

Just Listen está na minha lista agora! Adorei!
Vou ajudar a divulgar tb! =D

bjuss

Isabeli

Juh Oliveto disse...

Vocês estão me fazendo surtar com essa série de posts especiais da Sarah! Já coloquei praticamente todos os livros dela na minha lista de desejos... Agora só falta o dindin pra comprar e devorar *-*

Adorei ;D

Beijocas!
Juh Oliveto
Livros & Bolinhos ~

Dayse Dantas disse...

acabei de ler a versão brasileira e a tradução ficou MUITO boa, sério. Eu estou até feliz que quem traduziu foi a Farol e não a Galera, porque as vezes a Galera dá umas ratas nas traduções, mas a da Farol ficou muito boa MESMO. Minha parte preferida que está aí no post ficou MUITO melhor no livro do que nessa minha tradução amadora, hehe.

Agora eu quero TANTO que eles traduzam The Truth About Forever. TODO MUNDO COMPRANDO JUST LISTEN PRA ELES FICAREM COM VONTADE DE TRADUZIR MAIS LIVROS.

Anônimo disse...

A Editora Difusão Cultural do Livro (DCL) acaba de lançar a obra Just Listen, traduzida. Repliquem o release que a assessoria irá encaminhar, assim divulgarão o trabalho da grande autora Sarah Dessen. Bjos







Design e código feitos por Julie Duarte. A cópia total ou parcial são proibidas, assim como retirar os créditos.
Gostou desse layout? Então visite o blog Julie de batom e escolha o seu!